Seguidores: é só clicar em seguir! Não precisa ter blog, só qualquer end. do Google.

sábado, 11 de julho de 2009

manchetes

Aula: Manchetes de jornais e revistas

JORNAL NACIONAL (Willian Bonner): “Boa noite. Uma menina de 7 anos foi devorada por um lobo na noite de ontem”.(Fátima Bernardes): “... mas graças à atuação de um caçador não houve uma tragédia”.
FANTÁSTICO (Glória Maria): “... que gracinha, gente, vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo...?”
BRASIL URGENTE (José Luis Datena): “... onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades?! A menina ia para casa da avózinha a pé e sozinha! Não tem transporte público! Não tem segurança! Onde estava o secretário de segurança e os engenheiros da CET? E foi devorada viva... Sim VIVA!!! Um lobo, um lobo safado, calhorda. Põe na tela ESSE ANIMAL!! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo mau. Daqui a pouco eu volto nesse caso”.
CASSETA & PLANETA (Hélio de La Pena) “Estamos aqui na floresta encantada, onde o Lenhador Gaúcho Fulano Bussunda de Tal matou o lobo e salvou a chapéuzinho ...... – e aí seu lenhador, foi dificil matar o lobo?” (Bussunda, caracterizado de lenhador): “Sabe como é seu Casseta... quando eu mostrei o tamanho do meu machado o Lobo ficou na maior fissura, duro foi ter que aguentar o bafo de onça dele, quer dizer de Lobo...”
SUPER POP: Chapéuzinho é convidada para desfilar no programa só de lingerie vermelha (Luciana Gimenez) – “ Nossa, que corpo, hein garota?! Muito bonita mesmo, até eu no lugar do Lobo não iria deixar escapar essa menina!!”
BIG BROTHER BRASIL – (Pedro Bial): “Fala meu Lobo, quem você vai eliminar hoje?” – (Lobo): “ Hoje eu vou eliminar a Chapéuzinho Vermelho, porque ela tá de complô com o Lenhador, que eu acho ao meu ver, que estão ao nível de me eliminar e isso não está fazendo bem para o ambiente da casa”.
APRENDIZ – (Roberto Justus): “Chapéuzinho, o que você foi fazer na casa da vovózinha?” – (Chapéuzinho): “Fui levar uns doces para ela”. – (Justus): “De graça? Mas você não tinha um planejamento para isso? Acho que era o marketing mais correto? Qual seria o retorno? Que tipo de postura teve seu lider? Que providências você tomaria?”
VEJA – ‘...Fulano de Tal, 23, o lenhador que retirou Chapéuzinho Vermelho da barriga do lobo tem sido considerado um herói na região’. “O lobo estava dormindo, acho que não foi tão perigoso assim” admite ele.
CLÁUDIA – “Como chegar na casa da vovózinha sem se deixar enganar pelos lobos do caminho”.
NOVA – “Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama”
MARIE-CLAIRE: “Na cama com um lobo e minha avó”, relato de quem passou por essa experiência.
JORNAL DO BRASIL: “Floresta: Garota é atacada por lobo”. Na matéria, a gente não fica sabendo onde, nem quando, nem mais detalhes.
O GLOBO: “Retirada Viva da Barriga de um Lobo” . Na matéria teraá até mapa da região. O salvamento é mais importante que o ataque.
FOLHA DE S. PAULO: Legenda da foto: “Chapéuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador”. Na matéria teremos um box com um zoológo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapéuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.O ESTADO DE SÃO PAULO: “Lobo que devorou Chapéuzinho seria afiliado ao P...”
JORNAL AGORA: “Sangue e tragédia na casa da vovó”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Loading...

professores apaixonados

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato.
Apaixonar-se sai caro! Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.
* Gabriel Perissé é Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP e doutor em Filosofia da Educação e doutorando em Pedagogia pela USP; é autor dos livros "Ler, pensar e escrever" (Ed. Arte e Ciência); "O leitor criativo" (Omega Editora); "Palavra e origens" (Editora Mandruvá); "O professor do futuro (Thex Editora). É Fundador da ONG Projeto Literário Mosaico ; É editor da Revista Internacional Videtur -Letras (www.hottopos.com/vdletras3/index.htm); é professor universitário, coordenador-geral da ong literária Projeto Literário Mosaico: www.escoladeescritores.org.br)