Seguidores: é só clicar em seguir! Não precisa ter blog, só qualquer end. do Google.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Campanha da cordialidade na escola

Esse ano minha escola resolveu iniciar a campanha da cordialidade. Como queria trabalhar algum texto sobre o tema, decidi procurar na Net. Mas o fato é que não encontrei nada muito adequado (5ª a 7ª séries). Resolvi então fazer uma compilação de alguns trechos e reescrever. Acabei não guardando o nome dos autores(espero que não seja considerado plágio)e peço desculpas. Se alguém reconhecer suas frases, avise que eu credito... Também aceito sugestões de atividades e textos para trabalhar o tema.



Cordialidade já!

Cordialidade provém do latim cordis, coração. É algo que fazemos de coração, com afeto, com amor.
Expressar cordialidade como um estilo de vida, além de ser uma postura linda perante a vida, perante o mundo, faz bem a nós mesmos. No passado, havia inclusive remédios que eram denominados cordiais, porque faziam bem ao coração.
De fato, você fica com uma sensação de coração mais leve quando manifesta uma atitude bonita, amável, seja lá com quem for. Isso nos demonstra que o maior beneficiado não é o outro que foi alvo da nossa gentileza e sim nós mesmos, em primeiro lugar. Mas cordialidade nada tem a ver com gentileza.
A civilidade abre portas e facilita a convivência. Um aluno cordial cativa seus professores que facilitarão sua vida escolar. Um funcionário gentil azeita as relações com clientes, com colegas e com superiores. Um cliente simpático consegue mais boa vontade e, às vezes, até um desconto por parte do vendedor. Um vendedor atencioso vende mais, ganha mais dinheiro.
A civilidade, a cordialidade são muito fáceis quando o outro já está sendo amável. Mas, e quando o outro está sendo grosseiro e agressivo? Bem, aí é preciso que sua cordialidade seja muito autêntica e que você tenha assumido o compromisso perante si próprio de ser cordial em qualquer situação, com qualquer pessoa, haja o que houver. Então, nada como desarmar os outros agindo com sorrisos nos lábios e com toda a educação que vovó ensinou.
Não que eu ache que todo mundo precisa ser legalzinho. Isso é coisa de novela em que os bons são até chatos de tão bons e os maus são tão maus que a gente sente pena. Falo daquela cordialidade simples, do “bom dia”, “desculpe” “obrigada”, “com licença”...
O fato é que a cordialidade faz uma diferença enorme.
E é no dia-a-dia que a real cordialidade aparece. Dar passagem para alguém atravessar a rua, oferecer o lugar no ônibus aos mais velhos, ajudar uma senhora a carregar os pacotes, enfim, ser humano e parceiro nesse mundo atrapalhado. Porque esse mundo anda precisando muito de cordialidade.
E não é preciso nada para ser cordial, basta querer! Não importa o sexo, a cor, se é rico ou pobre...
Estou preocupada com a falta de respeito de uma maneira geral, e por isso sugiro uma experiência. Seja cordial neste dia. Se você já é, seja mais, ultrapasse o seu cotidiano. Se o que você nunca foi, vá lá e arrisque um cumprimento ao vizinho ou um bom dia sorridente a algum colega de quem você não goste muito... Doer não vai. Nem vai fazer mal. O máximo que pode acontecer é ganhar um delicioso sorriso do outro lado do seu sorriso. E as distâncias serão muito menores amanhã, e quem sabe até descole muitos amigos...

Um comentário:

  1. Gostei muito, procurei esse tema e não havia encontrado nada, acrescentei mais algumas coisas e deu certo.
    Obrigada
    Rosângela Professora Mediadora

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Loading...

professores apaixonados

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato.
Apaixonar-se sai caro! Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.
* Gabriel Perissé é Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP e doutor em Filosofia da Educação e doutorando em Pedagogia pela USP; é autor dos livros "Ler, pensar e escrever" (Ed. Arte e Ciência); "O leitor criativo" (Omega Editora); "Palavra e origens" (Editora Mandruvá); "O professor do futuro (Thex Editora). É Fundador da ONG Projeto Literário Mosaico ; É editor da Revista Internacional Videtur -Letras (www.hottopos.com/vdletras3/index.htm); é professor universitário, coordenador-geral da ong literária Projeto Literário Mosaico: www.escoladeescritores.org.br)