Seguidores: é só clicar em seguir! Não precisa ter blog, só qualquer end. do Google.

http://www.facebook.com/valeria.riet

sábado, 27 de outubro de 2012

Vozes verbais e exercícios com gabarito comentado


O que são vozes verbais?

a) voz ativa = sujeito pratica a ação
b) voz passiva = sujeito sofre a ação
c) voz reflexiva = sujeito pratica e sofre a ação ao mesmo tempo
d) voz recíproca = há correspondência de ações verbais
Exemplos:
1. Eu reconheci os criminosos. [ voz ativa ]
2. Os criminosos foram reconhecidos por mim. [ voz passiva analítica ]
3. Reconheceram-se os criminosos. [ voz passiva sintética ]
4. Paulo feriu-se. [ voz reflexiva ]
5. Lourdes e Gustavo se amam. [ voz recíproca ]
Obs.: A voz passiva pode ser sintética e analítica. Havendo pronome apassivador, temos a voz passiva sintética ( v.t.d. + se / v.t.d.i + se ). Já a voz passiva analítica não apresenta partícula apassivadora.
6. Comunicaram os fatos ao diretor. [ voz ativa ]
7. Comunicaram-se os fatos ao diretor. [ voz passiva sintética ]
8. Os fatos foram comunicados ao diretor. [ voz passiva analítica ]
9. O que se vê é um poço sem fim, o mal em estado puro.
* Todas as vezes que encontrarmos “o” antes do conectivo “que”, podendo substituir “o” por “aquele” ou “aquilo” , “o” é pronome demonstrativo e “que” é pronome relativo. No exemplo acima, “o” é pronome demonstrativo, pois podemos substituí-lo por “aquilo”. Sendo “que” pronome relativo, temos o início da oração subordinada adjetiva, visto que toda oração subordinada adjetiva é iniciada por pronome relativo. Trata-se a oração grifada acima de uma oração subordinada adjetiva restritiva. Sua voz verbal é passiva sintética ( verbo transitivo direto acompanhado da partícula apassiva “se” ). Já a oração principal “O ... é um poço sem fim, o mal em estado puro” não apresenta voz verbal, pois temos verbo de ligação em sua estrutura. Como teríamos voz verbal se verbo de ligação não expressa ação?

Exercícios sobre vozes verbais

Os exercícios abaixo possuem um comentário das respostas. Fique atento à leitura.
01. Tendo por parâmetro o texto original, julgue o período reescrito quanto à manutenção de sentido na nova versão.
Texto original: A racionalização do serviço público, ou o esforço por essa racionalização trouxe modificações sensíveis ao ambiente de nossas repartições.
Versão: Modificações sensíveis ao ambiente de nossas repartições foram trazidas pela racionalização do serviço público, ou pelo esforço por essa racionalização.
· No texto original temos o emprego da voz ativa; na versão se empregou a voz passiva analítica. Verifica-se que o sujeito da ativa ( “A racionalização do serviço público, ou o esforço por essa racionalização ) passou a ser agente da passiva, e o objeto direto da ativa ( “modificações sensíveis” ) passou a ser sujeito da passiva. Com isso, não há na versão mudança de sentido e não existe na transformação da ativa para a passiva impropriedade gramatical. É comum em provas públicas eles exigirem o tópico SEMÂNTICA, mudando um determinado fragmento do texto de ativa para passiva ou de passiva para ativa.
02. Em “ O volume de contrabando que está ingressando no país...” está na voz ativa. Passando para a voz passiva, não haverá mudança de sentido. V - F
· Falso. Não se passa para a passiva estrutura oracional ativa que não apresenta objeto direto. Só podemos passar uma oração na voz ativa para a voz passiva, se houver objeto direto, pois todo objeto direto tem valor passivo. Passar para a passiva nunca acarreta mudança de sentido. Todavia, tem-se como falso o julgamento da proposição, pois não se pode passar para a passiva a estrutura oracional. Trata-se o termo grifado ( “está ingressando”) de uma locução verbal intransitiva, sendo “no país” o adjunto adverbial de lugar.
03. Quanto à correção da substituição do fragmento sublinhado por pronome, apresentada no trecho em negrito, julgue os seguintes itens.
1 - 1 “A racionalização do serviço público (...) trouxe modificações sensíveis ao ambiente de nossas repartições” / A racionalização do serviço público (...) trouxe-lhas. [V – F ]
* Verdadeiro. Todo o termo grifado representa o objeto direto e o objeto indireto do verbo trazer. Ora, sendo “modificações” o núcleo do objeto direto e “ambiente” o núcleo do objeto indireto, temos a contração do pronome “lhe” ( pronome que representa o objeto indireto ) com o pronome “as” ( pronome que representa o objeto direto ).
2 - 2 “Porque desperdiçava os minutos do seu dia, reservado aos interesses da Nação, no trato de quimeras pessoais” / Porque os desperdiçava no trato de quimeras pessoais. [ V – F ]
* Quem desperdiça, desperdiça algo. Desperdiçar traz sua transitividade direta no exemplo acima. O termo grifado é o objeto direto do verbo desperdiçar. O núcleo do objeto direto é “minutos”, enquanto “os”, “do seu dia” e “reservado aos interesses da Nação” são adjuntos adnominais. Este último termo ( “reservado aos interesses da Nação ) é o adjunto adnominal oracional, pois a oração é subordinada adjetiva explicativa reduzida de particípio. Como apenas o núcleo dos termos sintáticos são representados sintaticamente, temos o pronome “os” proclítico ao verbo corretamente empregado para substituir todo o termo grifado na proposição.
3 - 3 “...sente o peso dos regulamentos, que lhe compete observar ou fazer observar” / sente-lhe o peso. [ V – F ]
* Falso. O pronome “lhe” precisa receber a desinência de número /s/ para que represente o substantivo núcleo “regulamentos”. Sua função sintática é de adjunto adnominal. Nem sempre o pronome “lhe” exerce a função de objeto indireto: o verbo SENTIR pede apenas objeto direto. O termo sintático “que lhe compete observar ou fazer observar” é o adjunto adnominal oracional do adjunto adnominal ( “dos regulamentos”) do núcleo do objeto direto do verbo sentir, ou seja, o substantivo “peso”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Loading...

professores apaixonados

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato.
Apaixonar-se sai caro! Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.
* Gabriel Perissé é Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP e doutor em Filosofia da Educação e doutorando em Pedagogia pela USP; é autor dos livros "Ler, pensar e escrever" (Ed. Arte e Ciência); "O leitor criativo" (Omega Editora); "Palavra e origens" (Editora Mandruvá); "O professor do futuro (Thex Editora). É Fundador da ONG Projeto Literário Mosaico ; É editor da Revista Internacional Videtur -Letras (www.hottopos.com/vdletras3/index.htm); é professor universitário, coordenador-geral da ong literária Projeto Literário Mosaico: www.escoladeescritores.org.br)