Seguidores: é só clicar em seguir! Não precisa ter blog, só qualquer end. do Google.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

“Há”, “ AH”, “ À” e “A”.

Não é incomum ver nos textos dos alunos confusão entre o “h”, “á”, “ ah”, “ à” e  “a”. Foneticamente não há diferença entre um e outro, mas gramaticalmente são classes de palavras diferentes:
1."" - Verbo HAVER) pode ser empregado como verbo impessoal, sem sujeito, assumindo a 3ª pessoa do singular: sentido de existir; sentido de passar-se, ter ocorrido - equivalente a  faz.

2.” A” – Artigo ou preposição 
Não é incomum ver nos textos dos alunos a confusão entre o “há”, “á”, “ ah”, “ à” e  “a”. Foneticamente não há diferença entre um e outro, mas gramaticalmente são classes de palavras diferentes.
3. “À” - Fusão dessas duas vogais iguais, ocorrendo, dessa forma, o fenômeno da crase: fusão de:  a (preposição) + a (artigo).
4.” Ah” - Interjeição - palavra que exprime nossos estados emotivos.

Atividade 1: 

Complete as lacunas do texto com há, ah, à ou a. Preste atenção ao contexto.
__ cidade de Manaus está __  margem esquerda do rio Negro, __ apenas 18 km da confluência desse rio com o rio Amazonas. __ nessa cidade pelo menos uma jóia que não vem direto da natureza; foi construída pelo homem.__  125 anos foi lançada, ali na cidade de Manaus, __  pedra fundamental de um dos mais lindos teatros brasileiros de todos os tempos: o Teatro Amazonas. __  natureza, por si, já é a grande beleza da região, mas não se pode negar que esse teatro também seja uma das belas riquezas de toda __Amazônia. __, quase me esqueci: já passaram pelo seu palco nomes que vão de Margot Fonteyn (bailariana clássica inglesa)  __ Roger Waters (músico fundador da banda de rock inglesa Pink Floyd).
Assinale a letra correspondente à alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.
1) Fique ...... vontade e confie ...... mim tudo o que tem ...... dizer.
 

a) a, a, à 
b) à, a, a
 
c) à, a, à
 
d) à, à, à
 
e) a, à, a
 

2) Foi ...... mais de um século que, numa reunião de escritores, se propôs a maldição do cientista que reduzira o arco-íris ...... simples matéria: era uma ameaça ...... poesia.
a) a, a, à 
b) há, à, a 
c) há, à, à
 
d) a, a, a
 
e) há, a, à 
3) Refiro-me ...... atitudes de adultos que, na verdade, levam as moças ...... rebeldia insensata e ...... uma fuga insensata. 

a) às, à, a 
b) as, à, à
 
c) às, à, à
 
d) as, à, a
 
e) às, a, à
 
4) Postou-se ...... porta do prédio, ...... espera de uma pessoa ...... quem entregar a pasta de documentos. 

a) a, a, a 
b) à, à, a
 
c) à, a, a
 
d) a, a, à
 
e) à, à, à
5) "......... dois dias da prova, cedeu .......... um impulso irracional de fugir ........... ela." 

a) Há, à, a 
b) A, à, a
 
c) Há, à, à
 
d) A, a, à
 
e) A, a, a
 6) Assinale a alternativa que preenche corretamente os espaços: 
“Durante ......... semana, o aluno deveria apresentar-se ......... direção da escola, para repor todas as aulas ......... que faltara.” 
a) a - à - a 
b) a - a - à 
c) à - à - a d) à - à - à
 
e) à - a – a
7)  Observe as frases abaixo:I. Precisa falar____cerca de três mil operários. 
II. Daqui____alguns anos tudo estará mudado. 
III. ____dias está desaparecido.
 
IV. Vindos de locais distantes, todos chegaram____tempo____reunião.
A  alternativa que preenche corretamente as lacunas das seguintes orações é:

a) a - a - há - a - à
b) à - a - a - há - a
 
c) a - à - a - a - há
 
d) há - a - à - a - a
 
e) a - há - a - à – a
 

8)  Uma ..... uma, todas as alunas prestarão contas ..... diretora daquilo que fizeram ..... pouco. 

a) à - a - a 
b) a - à - há
 
c) à - à - a
 
d) a - a - há
 
e) à - à – há





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Loading...

professores apaixonados

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato.
Apaixonar-se sai caro! Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.
* Gabriel Perissé é Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP e doutor em Filosofia da Educação e doutorando em Pedagogia pela USP; é autor dos livros "Ler, pensar e escrever" (Ed. Arte e Ciência); "O leitor criativo" (Omega Editora); "Palavra e origens" (Editora Mandruvá); "O professor do futuro (Thex Editora). É Fundador da ONG Projeto Literário Mosaico ; É editor da Revista Internacional Videtur -Letras (www.hottopos.com/vdletras3/index.htm); é professor universitário, coordenador-geral da ong literária Projeto Literário Mosaico: www.escoladeescritores.org.br)