Seguidores: é só clicar em seguir! Não precisa ter blog, só qualquer end. do Google.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Atividade com textos

texto 05 - Discriminação racial

A questão racial no cotidiano escolar deve ser vista através dos estudos das diversidades racial, cultural e religiosa que constituem uma sociedade. No entanto,focarei este tema da cultura que nega o negro,pois, considero importante este  enfoque a partir do momento em que temos crianças negras tendo vergonha da sua origem. Portanto, é preciso trabalhar a questão racial de forma a valorizar o negro e a cultura africana, pois, não há como eliminar o preconceito e a discriminação enquanto houver crianças e adultos com vergonha da sua cor.Vivemos em uma sociedade onde ocorrem diariamente práticas discriminatórias e preconceituosas em relação aos negros e como a escola não está dissociada desse contexto, o preconceito racial também está presente. Após debates e vivências investigativas neste projeto, pude perceber que estas práticas discriminatórias acontecem na maioria das vezes de forma camuflada e que muitas pessoas que dizem não ser preconceituosas, no entanto, se calam frente à questão racial. É necessário, no entanto, se observar as diferentes práticas educativas escolares em relação ao negro na educação  de crianças e adolescentes, de forma a melhorar a questão do respeito às diferenças e a uma educação igualitária e de oportunidades  para todos, sem exclusão social, uma vez que é na Educação e na formação dos jovens que se deve começar a eliminar todos os tipos de preconceitos e estereótipos.


TEXTO 06

A IMPORTÂNCIA DA MULHER NA SOCIEDADE  

A mulher ainda é alvo de grande discriminação por aqueles que ainda acreditam que “lugar de mulher é no fogão” e por isso enfrenta o grande desafio de mostrar que apesar de frágil é ainda forte, ousada e firme na tomada de decisões, quando necessário.
A mulher tem marcado as últimas décadas mostrando que competência no trabalho também é um grande marco feminino. Apesar de ser taxada como sexo frágil, a mulher tem se mostrado forte o bastante para encarar os desafios propostos pelo mercado de trabalho com convicção e disposição. A fragilidade da mulher, ou melhor, a sensibilidade da mulher tem grande colaboração nas influências humanas que se tenta propagar na atualidade, pois, como é sabido, o mundo passa por transformações rápidas e desastrosas que precisam de mudanças imediatas. A mulher consegue transmitir a importante e dura tarefa de mudar hábitos com a clareza e a delicadeza necessária para despertar o envolvimento de cada indivíduo e a importância da mudança de cada um.
O avanço feminino frente à política ( Dilma como Presidenta do Brasil) e economia ( sua presença em vários setores) já mostra a força da mulher em perceber e apontar os problemas tendo sempre boas formas de resolvê-los,  assim como os indivíduos do sexo masculino, o que evidencia o erro de descriminar e diminuir o sexo feminino, privando-o de atuar em todos os segmentos da sociedade em função de apenas poucas tarefas (domésticas).


Após a leitura dos 6 textos apresentados, sua tarefa hoje é revelar o que você pensa sobre alguns temas relacionados à adolescência, através de uma produção de texto. Abaixo teremos duas propostas de texto diferentes: um texto de opinião e um poema. Escolha apenas um dos gêneros, escreva seu texto logo abaixo dessa postagem. Não se esqueça de ler o que escreveu e de fazer as devidas correções.


Proposta nº 1
Produza um texto de opinião, em 3ª pessoa, dando dicas para outros adolescentes de como viver uma adolescência saudável. Seu texto deverá apresentar logo no 1º parágrafo as idéias que pretende desenvolver e o mínimo de 20 linhas. Ex.:

.....Para viver o período da adolescência de uma forma saudável, é importante que o adolescente aprenda a se divertir, a namorar de forma mais responsável, a cuidar da sua formação para garantir um futuro promissor e, principalmente, a respeitar e a cuidar do seu próprio corpo.
No 2º  parágrafo procure mostrar, por exemplo, como é possível se divertir sem o uso de drogas, como é possível viver de cara limpa, livre das drogas, aproveitar essa fase da vida sem o uso de drogas, sabendo aproveitar as oportunidades de lazer oferecidas no bairro e na cidade, etc. A partir daí, cada parágrafo tratará de um dos assuntos destacados no 1º parágrafo. No último parágrafo, faça a conclusão  reforçando a importância de se viver de forma saudável na adolescência.




Proposta nº 2
Produza um poema, mínimo de 15 linhas,  falando das transformações emocionais e físicas pelas quais passa um adolescente ou da importância de aprender a lidar com essas mudanças ou da importância se prevenir contra as doenças sexualmente transmissíveis e a gravidez na adolescência, no caso de uma relação sexual.
Seu texto poderá seguir o modelo da organização do texto abaixo:

RITUAL

Este corpo.
que agora me veste
ainda é casca
e casulo
de um outro bicho
que cresce

Esta capa
Que me acompanha
desde os tempos
de criança
desde inutil
dos meus pés.

Sou a ponte
que me liga.

Sou o gesto
que me une.

Sol e Lua,
Noite e dia.

Sou o fui
e o serei.

Este tempo
que me guarda
para um outro
amanhecer
é lembrança
e é promessa,
recordação
e esperança
morte e vida
enoveladas
na meada
das mudanças.

Autor:Carlos Queiroz Telles.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Loading...

professores apaixonados

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato.
Apaixonar-se sai caro! Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.
* Gabriel Perissé é Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP e doutor em Filosofia da Educação e doutorando em Pedagogia pela USP; é autor dos livros "Ler, pensar e escrever" (Ed. Arte e Ciência); "O leitor criativo" (Omega Editora); "Palavra e origens" (Editora Mandruvá); "O professor do futuro (Thex Editora). É Fundador da ONG Projeto Literário Mosaico ; É editor da Revista Internacional Videtur -Letras (www.hottopos.com/vdletras3/index.htm); é professor universitário, coordenador-geral da ong literária Projeto Literário Mosaico: www.escoladeescritores.org.br)