Seguidores: é só clicar em seguir! Não precisa ter blog, só qualquer end. do Google.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

atividades de português: Antítese e parodoxo

Trabalhar os textos (soneto e letra de música) para reconhecer e entender as figuras de linguagem: antítese e paradoxo.
Objetivos
1) Conhecer duas figuras de linguagem.

2) Reconhecer o emprego das figuras de linguagem em diferentes contextos lingüísticos.

3) Analisar as funções da antítese e do paradoxo em textos específicos.

4) Analisar diferentes tipos de texto (poético e letra de música) nos quais há o emprego dessas figuras.
Estratégias
A - Para o estudo da antítese:
1) Levantar o vocabulário do soneto.
2) Colocar na ordem direta a 1ª estrofe, a fim de se facilitar a compreensão.
3) Explicar o sentido da expressão "ser atento".
4) Identificar a que se refere a expressão "maior encanto" (3° verso).
5) Trabalhar com o significado de fidelidade para o eu lírico. Supõe exclusividade ou não?
6) Destacar as situações contraditórias que, segundo o texto (2ª estrofe), o amor e a fidelidade terão de passar. Exemplo: "Ao seu pesar ou seu contentamento".
7) Verificar a figura de linguagem predominante.
8) Trabalhar com as formas verbais e observar o paralelismo sintático, isto é, a construção sintática semelhante. Exemplos: "Quem sabe a morte.../ fim de quem ama."
9) Notar que a antítese aproxima, ao longo do texto, idéias opostas, mas sem criar entre elas uma unidade, como no caso de "riso e pranto" (2ª estrofe).
10) Identificar no final do texto que também há paradoxo: "Mas que seja infinito enquanto dure".

Soneto de fidelidade

Vinicius de Moraes

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

B - Para o estudo do paradoxo:
1) Estimular a leitura, salientar a musicalidade.
2) Apresentar a música em sala de aula.
3) Identificar as contradições encontradas nas estrofes.
4) Explicar a passagem: "mudaram as estações/ nada mudou".
5) Notar e perceber o significado de "Estamos indo/ de volta pra casa".
6) Perceber que o paradoxo expressa a convivência dos opostos, que formam uma unidade, como na canção a seguir.

Por enquanto

Cássia Eller (composição: Renato Russo)

Mudaram as estações
Nada mudou
Mas eu sei que
Alguma coisa aconteceu
Tá tudo assim
Tão diferente...

Se lembra quando a gente
Chegou um dia a acreditar
Que tudo era prá sempre
Sem saber
Que o prá sempre
Sempre acaba...

Mas nada vai
Conseguir mudar
O que ficou
Quando penso em alguém
Só penso em você
E aí, então, estamos bem...

Mesmo com tantos motivos
Prá deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar
Agora tanto faz
Estamos indo
De volta prá casa...

Sugestões
A aula pode ser dividida em dois momentos, orientados pelo professor, mas com a participação de toda a classe. Depois de apresentar a música para a turma (Cássia Eller), comente também sobre a importância de Vinícius de Moraes para a música popular brasileira. Solicite que os alunos pesquisem outras músicas e poesias em que se apresentem as duas figuras de linguagem estudadas. Saliente outras figuras de linguagem que os textos apresentem (metáfora, polissíndeto, aliteração, etc.).

Atividade enviada pela profª Fátima Rodrigues: professora de língua portuguesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Loading...

professores apaixonados

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato.
Apaixonar-se sai caro! Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.
* Gabriel Perissé é Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP e doutor em Filosofia da Educação e doutorando em Pedagogia pela USP; é autor dos livros "Ler, pensar e escrever" (Ed. Arte e Ciência); "O leitor criativo" (Omega Editora); "Palavra e origens" (Editora Mandruvá); "O professor do futuro (Thex Editora). É Fundador da ONG Projeto Literário Mosaico ; É editor da Revista Internacional Videtur -Letras (www.hottopos.com/vdletras3/index.htm); é professor universitário, coordenador-geral da ong literária Projeto Literário Mosaico: www.escoladeescritores.org.br)