Seguidores: é só clicar em seguir! Não precisa ter blog, só qualquer end. do Google.

terça-feira, 8 de julho de 2014

SITUAÇÕES PARA PRODUÇÃO TEXTUAL

1. Faça uma lista de cinco coisas da natureza que você acha feias. Faça uma descrição de cada uma delas, usando somente as qualidades belas.

2. Escreva um poema curtinho sobre a cor que mais lhe agrada neste momento.

3. Escreva sobre a sua falta de tempo ou de inspiração para escrever.

4. Numa viagem de ônibus, observe atentamente outros passageiros, como se eles fossem personagens de uma história. O que estão usando? Como agem? O que você imagina de cada um?

5. Escolha uma brincadeira infantil, como esconde-esconde, por exemplo. Escreva um texto descrevendo o que as pessoas fazem nessa brincadeira, mas sem dizer que brincadeira é, até o final do texto.

6. Imagine que você vai passar dois anos isolado do mundo em contato com a natureza. Quais são as três coisas que você levaria? Por quê?

7. Faça de conta que você é uma árvore. Que tipo de árvore? Por quê? Descreva a si mesmo detalhadamente (altura, aparência, idade...).

8. Escreva um haikai (3 linhas sem rimas, a primeira com 5 sílabas métricas, a segunda com 7 e a terceira com 5) sobre o que se vê olhando através da janela mais próxima.

9. Onde você está neste exato momento? Imagine-se neste mesmo lugar daqui a 15 anos. Escreva contando o que mudou, como se sente, o que continua igual.

10. Se você fosse um viajante do passado ou do futuro, visitando o presente, como escreveria um relatório contando o que você vê neste momento?

11. Descreva seu quarto da perspectiva de outra pessoa (amigo, vizinho, um estranho...).

12. Existe alguém na sua família que seja um grande contador de histórias? Descreva essa pessoa de modo a mostrar por que ela é um grande contador de histórias.

13. De todos os lugares em que você já viveu, qual é o seu preferido? Por quê? Quem vive lá agora?

14. Conte uma história usando personagens de livros diferentes (pode ser de filme ou novela também).

15. Se você pudesse renascer em outra época da história, que época seria essa e por quê?

16. Qual é a sua história infantil preferida? Escreva um final diferente para ela.

17. Ah, aquele brinquedo que eu nunca esqueci....

18. Reescreva a letra de sua música preferida mudando-a para que fique autobiográfica.

19. Escreva um parágrafo sobre sua cor preferida, como se você estivesse vendo-a pela primeira vez.

20. Você vai fazer um filme. Descreva-o em três linhas.

21. Você lembra da última vez que riu às gargalhadas? Conte o que foi que aconteceu e que provocou seu riso.

22. Pegue as palavras PAZ, ESPERANÇA e ALEGRIA. Transforme cada uma delas em personagem de um pequeno conto. Para descrever as personagens, inspire-se em gente que você conhece e a quem esses nomes se ajustariam.

23. Indique 3 pessoas que fizeram diferença na sua vida e escreva um parágrafo sobre cada uma delas.

24. Hoje é um dia importantíssimo para você. Invente um motivo.

25. Escreva um parágrafo com a descrição da pessoa que você mais odiou em toda a sua vida.

26. Agora, faça a mesma coisa com a pessoa que você mais amou ou ama.

27. Descreva o tempo que está fazendo hoje sem usar as palavras que normalmente são aplicadas ao clima.

28. Pegue um livro qualquer. Copie a última frase e use-a para começar uma história.

29. Invente uma descrição para uma sobremesa chamada Além do Arco-Íris.

30. Escolha 5 palavras. Mude uma letra em cada uma delas para inventar novas palavras. Defina as novas palavras criadas.

31. Escolha um poema e transforme-o numa história curta ou, faça o contrário, transforme uma história num poema.

32. Se você tivesse um anjo da guarda, que forma ele teria? Para que situação você pediria sua ajuda?

33. Escreva um poema sobre sua comida preferida.

34. Conte uma mesma história de dois pontos de vista diferentes: o do herói e o do bandido.

35. Escreva a página 121 de sua autobiografia.

36. Você se mudou para outro país, para conhecer outras culturas. Para onde você se mudou? O que você aprendeu até agora? Qual o nome desse país?

37. Que dia da sua vida você gostaria de reviver? Conte o que aconteceu nesse dia.

38. Que dia da sua vida você gostaria de esquecer? Conte o que aconteceu nesse dia.

39. Se eu pudesse ter escolhido meu nome, ele seria________, porque__________.

40. Em duplas, um colega faz a biografia do outro.

41. Agora, cada um faz sua autobiografia.

42. Escreva um parágrafo definindo vulgaridade.

43. Agora faça o mesmo com o tédio.

44. É possível definir a beleza? Defina (ou explique porque não é possível).

45. O que aconteceria se todo mundo fosse igual? Haveria beleza?

Prof. Isac

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Loading...

professores apaixonados

Professores e professoras apaixonadas acordam cedo e dormem tarde, movidos pela idéia fixa de que podem mover o mundo.
Apaixonados, esquecem a hora do almoço e do jantar: estão preocupados com as múltiplas fomes que, de múltiplas formas, debilitam as inteligências.
As professoras apaixonadas descobriram que há homens no magistério igualmente apaixonados pela arte de ensinar, que é a arte de dar contexto a todos os textos.
Não há pretextos que justifiquem, para os professores apaixonados, um grau a menos de paixão, e não vai nisso nem um pouco de romantismo barato.
Apaixonar-se sai caro! Os professores apaixonados, com ou sem carro, buzinam o silêncio comodista, dão carona para os alunos que moram mais longe do conhecimento, saem cantando o pneu da alegria.
Se estão apaixonados, e estão, fazem da sala de aula um espaço de cânticos, de ênfases, de sínteses que demonstram, pela via do contraste, o absurdo que é viver sem paixão, ensinar sem paixão.
Dá pena, dá compaixão ver o professor desapaixonado, sonhando acordado com a aposentadoria, contando nos dedos os dias que faltam para as suas férias, catando no calendário os próximos feriados.
Os professores apaixonados muito bem sabem das dificuldades, do desrespeito, das injustiças, até mesmo dos horrores que há na profissão. Mas o professor apaixonado não deixa de professar, e seu protesto é continuar amando apaixonadamente.
Continuar amando é não perder a fé, palavra pequena que não se dilui no café ralo, não foge pelo ralo, não se apaga como um traço de giz no quadro.
Ter fé impede que o medo esmague o amor, que as alienações antigas e novas substituam a lúcida esperança.
Dar aula não é contar piada, mas quem dá aula sem humor não está com nada, ensinar é uma forma de oração.
Não essa oração chacoalhar de palavras sem sentido, com voz melosa ou ríspida. Mera oração subordinada, e mais nada.
Os professores apaixonados querem tudo. Querem multiplicar o tempo, somar esforços, dividir os problemas para solucioná-los. Querem analisar a química da realidade. Querem traçar o mapa de inusitados tesouros.
Os olhos dos professores apaixonados brilham quando, no meio de uma explicação, percebem o sorriso do aluno que entendeu algo que ele mesmo, professor, não esperava explicar.
A paixão é inexplicável, bem sei. Mas é também indisfarçável.
* Gabriel Perissé é Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP e doutor em Filosofia da Educação e doutorando em Pedagogia pela USP; é autor dos livros "Ler, pensar e escrever" (Ed. Arte e Ciência); "O leitor criativo" (Omega Editora); "Palavra e origens" (Editora Mandruvá); "O professor do futuro (Thex Editora). É Fundador da ONG Projeto Literário Mosaico ; É editor da Revista Internacional Videtur -Letras (www.hottopos.com/vdletras3/index.htm); é professor universitário, coordenador-geral da ong literária Projeto Literário Mosaico: www.escoladeescritores.org.br)